Gravações finalizadas!

No segundo dia de gravações no Theatro São Pedro, Marcus Vinicius Basso, Léa Fagundes e Rosane Aragón, todos pesquisadores da UFRGS, reunidos

 

Na poltrona à direita, Vânia Dienstmann; à esquerda, Rosane Zimmer, ambas de Nova Hamburgo, durante produção para sessão de entrevistas à educadora Léa

 

Os três dias de gravações para o vídeo-entrevista com a educadora Léa Fagundes, em Porto Alegre, foram de resgate intenso da história das tecnologias digitais na educação brasileira. O início de tudo, lá no fim dos anos 70, a construção dos primeiros laboratórios em universidades do Brasil voltados a essa questão, as colaborações entre pesquisadores do assunto, as políticas públicas. Todos esses foram temas lembrados e explorados pelos participantes do vídeo-entrevista, projeto que segue para a fase de edição.

No primeiro dia de filmagens, a quarta-feira, as imagens foram captadas na casa da educadora Léa Fagundes, e na sala de casa ela relembrou aspectos da vida pessoal, como casamento e chegada dos filhos, e como tudo isso foi acomodado, aos poucos, para que a sua rotina de pesquisadora pudesse se estabelecer. Já o mergulho na ciência, a descoberta das bases teóricas que lhe dariam suporte para tantos estudos e todas as realizações a partir do trabalho na universidade foram explorados na quinta e na sexta-feira, no Theatro São Pedro, com os convidados que se revezaram no palco do histórico espaço cultural da capital gaúcha.

Como mostrado no post anterior, a quinta-feira foi o dia de Léa Fagundes receber a Profa. Dra Cleci Maraschin (UFRGS), o Prof. Dr. José Armando Valente (Unicamp) e a Profa. Maria Inês Hocevar Brochado (UFRGS). Já na sexta-feira, houve dois momentos. Primeiro, para falar sobre o trabalho pioneiro do município de Novo Hamburgo, entraram em cena Vânia Dienstmann e Rosane Zimmer. Ao longo de duas horas, a construção dos programas de educação e tecnologia da cidade, os quais contaram ao longo das décadas com o apoio do LEC (Laboratório de Estudos Cognitivos/UFRGS), foram discutidos. Dos tempos em que se usava rádio amador para a comunicação de projetos nas escolas à era dos laptops na escola, nada foi esquecido.

A seguir, para falar sobre educação à distância, chegaram a Profa. Dra. Rosane Aragón e o Prof. Dr. Marcus Vinicius Basso, ambos da UFRGS. As primeiras experiências realizadas pela UFRGS nesse campo foram então relembradas, uma vez que eles foram os primeiros protagonistas dessa história. Nos três dias, cerca de 10 horas de filmagens, que agora serão editadas e compiladas em um vídeo licenciado em creative commons disponível na web em novembro!

Comente este post